Por Fernanda Abilel

O que te traz felicidade no dia a dia?

Do que você sente orgulho?

O que te faz perder a noção do tempo?

Dificilmente a resposta a uma destas perguntas esteja relacionada a coisas que o dinheiro possa comprar.

É claro que todos queremos (e a maioria de nós precisa) da remuneração atrelada ao exercício das nossas funções. Não imagino que muitas pessoas possam simplesmente trabalhar por prazer (e só pelo prazer). Mas para muitos o trabalho é muito mais do que uma forma de ganho financeiro, é onde se encontra a oportunidade de colocar em prática seus projetos, de se desafiar, testar ideias, conviver com pessoas que admiram e com quem podem aprender e se desenvolver.

Queremos trabalhar por uma causa, que esteja associada a um ideal, com um propósito claro. Dá um orgulho danado fazer parte de um projeto de sucesso, especialmente quando sabemos direitinho dizer qual foi a nossa parcela de contribuição.

O trabalho é também um lugar de convívio social. Por que não?! Afinal, muitas vezes passamos mais tempo com os colegas de trabalho do que com a nossa família. No trabalho nascem grandes amizades! Nascem amores. Nascem parcerias profissionais que funcionam em uma sintonia tão fina e prazeirosa que é até difícil de se explicar.

Imagine que além disso, ainda exista um ambiente onde se reconheça e celebre o resultado entregue, aberto e flexível para atender as necessidades específicas das pessoas, em que haja oportunidade de aprendizado, times colaborativos e uma liderança inspiradora.

Já me disseram também que a luz do sol traz boas energias, então some a tudo isso um ambiente claro e iluminado! 😄

Antes que me perguntem o motivo de eu não ter falado de escritórios pet-friendly, com ambientes interativos e outros perks que vêm sendo oferecidos, já adianto que a minha intenção não é a de esgotar a longa lista de benefícios criativos que têm surgido.

O ponto é que o “fazer parte”, o trabalho com significado, a cultura organizacional, os valores corporativos, a liderança, as oportunidades de crescimento, o reconhecimento, os amigos do trabalho e tantos outros elementos da vida profissional, podem sim ser respostas às perguntas feitas no início deste texto (dividindo espaço com alguns familiares mais chegados e com aquela maratona da sua série preferida com pipoca!).

Eu posso afirmar por experiência própria que, por mais que se tente, só a Remuneração infelizmente (ou felizmente) não é capaz de definir a permanência ou não das pessoas numa empresa. Às vezes um desequilíbrio nestes elementos intangíveis afeta de maneira muito mais profunda e irreversível o vínculo dos profissionais.

Recompensas financeiras são parte fundamental do jogo corporativo (e devemos cuidar delas com atenção e respeito), mas os elementos intangíveis são intrínsecos à vida… não adianta tentar ignorar. Ao contrário, é muito mais inteligente usá-los de forma positiva e proativa dentro do conjunto de ferramentas de recompensas oferecido. A maioria das vezes nem custa nada, e os seres humanos da sua empresa passarão a ter outro nível de conexão com a instituição e estarão muito menos propensos a considerar outras oportunidades lá fora.